quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Alanis


Gosto muito do som da Alanis Morissette. Lembro que ouvi muito Alanis no final dos 90 e início dos 2000, por me sentir feliz e por me senti infeliz. E acho que a música da Alanis, em resumo, é isso mesmo: um misto de alegria e tristeza, encontro e desencontro, certeza e incerteza. E ela está novamente no Brasil, fazendo show em várias cidades, inclusive Porto Alegre. E, claro, se promovendo, dando entrevistas, falando um pouco mais se si. Como nessa surpreendente entrevista publicada na Caras (surpreendente porque boa, apesar de ser Caras), da qual destaco uns trechos:


'Por que decidiu escrever sua biografia e contar tudo? Decidi dividir com as pessoas os fatos ruins que aconteceram comigo. É para encorajar os outros a também não se sentirem envergonhados apenas por serem humanos, vulneráveis, por terem medo, por sentirem raiva ou serem frágeis.'


'Considera-se um exemplo para a vida de outras mulheres? É muito reconfortante saber que posso influenciar de uma forma boa outras mulheres, sejam elas mães, irmãs, professoras... Porque, ao mesmo tempo, me sinto estudante, filha, uma mulher como outra qualquer. Sou uma sobrevivente'


'Como quer ser lembrada? Como alguém que não teve vergonha de ter sido um bom ser humano. Mas, realmente, também não tenho necessidade nenhuma de ser lembrada.'


Um comentário:

Maicon Rodrigues disse...

Tem razão, ela vai deixar saudades, enfim, bom saber que alguém tem tanto vinculo com a Alanis, assim como eu, claro que ela nem sabe quem somos, mas no fundo a gente sempre acha que ela fez aquela música pensando em nós rsrrsrs, e olha que as vezes fecha direitinho.

Saudades adri.